Main content

Como as comunidades indígenas do Equador lutam para preservar a Floresta Amazônica

A Amazônia está sob séria ameaça. Embora produza 20% do oxigênio que respiramos, a floresta tropical está sendo tomada e destruída para obter ganhos econômicos. No Equador, as terras dos povos indígenas são vistas por empresas e governos como áreas lucrativas a serem exploradas por atividades relacionadas à extração de petróleo, madeira, agricultura e produção de óleo de palma. As invasões causam sérios danos à própria Floresta e colocam em risco as pessoas que ali habitam. Mas essas comunidades estão reagindo.

Hernan: protetor da floresta tropical

Hernan Payaguage é Diretor Executivo da Aliança Ceibo, uma das parceiras no Equador do programa Todos os Olhos na Amazônia, parceria da Hivos com o Greenpeace. Trabalhamos com líderes indígenas como Hernan para preservar a Floresta Amazônica, fornecendo tecnologias para monitorar atividades ilegais e oferecendo apoio a processos legais e campanhas de comunicação.

"Eles nos deram presentes e comida, então eu não tinha idéia do mal que estavam causando à nossa terra."

Hernan, um jovem líder da comunidade indígena Secoya, comprometeu-se totalmente na luta para proteger sua terra. Em um tom calmo e confiante, ele explica como chegou lá.

“Quando eu era criança, as empresas de petróleo já tinham começado a invadir nossos territórios. Eles nos deram presentes e comida, então eu não tinha ideia do mal que estavam causando à nossa terra. Mas meus avós, que me criaram, me ensinaram que não devemos dar a essas empresas acesso a nossas terras. Eles me explicaram que eles destruiriam nossa natureza, nossa cultura e nossas tradições ”, diz Hernan.

A realidade

Os avós de Hernan estavam certos. Nos últimos anos, as empresas de petróleo têm invadido constantemente os territórios indígenas ricos em petróleo. Como o Equador está passando atualmente por um lento crescimento econômico, o governo está incentivando investimentos na indústria de petróleo.

“No papel, parece que nosso ambiente e nossas comunidades estão protegidas por lei. Mas isso geralmente não é o caso na realidade. O governo nos vê como um obstáculo ao desenvolvimento econômico do Equador e, portanto, não nos protege ", diz Hernan.

Uma tragédia na comunidade

Como falta proteção governamental, Hernan e seu povo tomaram essa luta para si. Um grande vazamento de petróleo em seu território foi o que levou Hernan a liderar os esforços de sua comunidade.

"Alguns anos atrás, as empresas de petróleo derramavam petróleo em nossas águas, mas não nos informavam", diz Hernan, agitado. “Nós bebíamos aquela água e a usávamos para fazer cimento para nossas casas. Ficamos chocados ao descobrir que muitas pessoas de diferentes comunidades indígenas haviam sido envenenadas. Alguns até morreram. Foi nesse momento que pensei: basta.

Unidos por uma causa

Como resultado, Hernan e outros cinco membros da comunidade criaram a Aliança Ceibo. Seu objetivo na época era coletar evidências dos danos causados pelas empresas de petróleo a terras e povos indígenas e, em seguida, levar essas evidências à Justiça. Em sete anos, a Aliança se transformou em uma organização profissional que envolve sessenta pessoas. A Aliança Ceibo reúne quatro nacionalidades indígenas do Equador, que se uniram para formar um movimento mais forte contra a destruição de seus territórios.

“Temos uma causa e um objetivo comum. Todos experimentamos as mesmas ameaças, por isso deixamos de lado nossas diferenças e começamos a trabalhar juntos”, acrescenta Hernan.

Uma vitória histórica

Os esforços da organização estão valendo a pena. A Aliança Ceibo começou a trabalhar com as comunidades Waorani no mapeamento de seu território. “Combinamos tecnologia com conhecimento local.” O povo Waorani encaminhou as evidências coletadas à Justiça para exigir a interrupção da extração de petróleo por parte de empresas privadas, cujas atividades haviam sido sancionadas pelo governo. Em 26 de abril de 2019, uma decisão histórica suspendeu a exploração de petróleo em sete milhões de acres de terra na Amazônia. Os Waorani também ganharam a ação em segunda instância. Agora, a decisão final do tribunal afirma muito claramente que o território Waorani pertence a eles e que sua floresta não está à venda.

"Sem nosso território, não somos nada."

“Vencer a ação foi um passo muito importante na batalha por nossos direitos. Finalmente conseguimos algum reconhecimento do Estado a favor de nossa causa.”

O povo Waorani, foto cortesia da Amazon Frontlines

Fortalecendo a comunidade

Atualmente, a Hivos e seus parceiros trabalham com a Aliança Ceibo para compartilhar seus sucessos com outras organizações indígenas da Amazônia que enfrentam as mesmas ameaças. Ao mesmo tempo, a Aliança Ceibo está explorando outras maneiras de proteger e desenvolver seu território. Fontes de energia renovável foram instaladas e a água da chuva está sendo coletada para uso como água potável. Eles também estão avaliando se o chocolate pode ser produzido de forma sustentável e se o ecoturismo pode ser desenvolvido no território. Todas essas atividades tornariam as comunidades mais fortes e alvos menos vulneráveis das empresas de petróleo.

Por fim, o objetivo de Hernan é manter viva a história de sua comunidade.

“Nosso território é tudo para nós. Nossa comida, nossa água, nosso remédio, nosso mercado, nossa história, nossa casa. Sem o nosso território, não somos nada. E vale a pena lutar por isso”.

Juntamente com Hernan, continuamos a luta para proteger a floresta amazônica. E você pode contribuir compartilhando essa história nas mídias sociais usando os ícones abaixo!